terça-feira, novembro 24, 2015

ALERTA! GELO NO EVEREST, LOGO MAIS, SÓ NO CINEMA

O famoso Monte Everest pode ter uma grande perda de suas geleiras durante este século, de acordo com um novo estudo científico divulgado hoje, “a primeira modelagem detalhada de todas as geleiras da bacia Dudh Koshi, na região da montanha no Nepal”.

O trabalho, publicado em The Cryosphere, teve como autores o pesquisador Joseph Shea, do Centro Integado de Desenvolvimento de Montanhas em Katmandu, no Nepal, e diversos colegas da França e da Holanda. “O grande resultado foi termos descoberto que as geleiras são mais sensíveis do que qualquer um esperava”, conta O’Shea.

As geleiras da bacia cobrem mais de 200 km quadrados de área. Para estudá-las, os cientistas usaram um modelo e o alimentaram com diferentes cenários de aquecimento baseados no relatório do Painel Intergovernamental da Mudança do Clima. E descobriram que em um cenário extremo, a perda poderá ser de até 99% até 2100. Em um mais positivo, ela seria de 70%, ainda assim um número impressionante.

O cenário mais moderado de emissões, conhecido tecnicamente como RCP4.5, é aquele na qual o mundo teria reduções significavas de emissões neste século. “Mesmo que adotemos medidas agora, ainda teremos um declínio”, afirmou O’Shea.
Outras geleiras nos Himalaias não se comportariam necessariamente da mesma forma, diz o estudo. As perdas principais, no caso do Everest, ocorreriam perto de seu pico, a 8.850 metros de altura.
Temperaturas mais altas aumentarão as taxas de derretimento de neve e gelo, assim como a mudança de precipitação de neve para chuva em elevações críticas, onde as geleiras se encontram. Isto vai ter impacto na disponibilidade de água e, portanto, na produção de alimentos e geração hidrelétrica.

Fonte: Whiskey

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPLEXO COHATRAC: CIÊNCIA NA PRAÇA

Mais uma edição do projeto “Ciência na Praça” será realizada em São Luís. Dessa vez o bairro beneficiado com as atividades será o Cohatrac....