quinta-feira, abril 28, 2016

ALERTA!: MUDANÇA CLIMÁTICA PODE ESTAR PROVOCANDO DESLOCAMENTO DOS POLOS DA TERRA

A posição do eixo da Terra mudou drasticamente, provavelmente devido ao derretimento das calotas de gelo (decorrente das mudanças climáticas) e de mudanças naturais da armazenagem hídrica em terra, revelou um estudo publicado no periódico Science Advances.


Erik Ivins, pesquisador sênior do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e co-autor do estudo, disse ao Huffington Post que o movimento da água na superfície da Terra afeta a distribuição da massa do planeta e seu eixo. Seria mais ou menos como acrescentar peso a um pião que estivesse rodopiando.

“Se pegássemos um pião girando e colocássemos um chiclete em cima ele, o pião começaria a rodar em torno de um eixo novo”, explicou Ivins em um e-mail. “Na Terra, como a água pode sair dos oceanos e ir para a Terra, afetando o nível mediano dos mares no planeta, isso também modifica os momentos de inércia, numa analogia exata ao chiclete colado em cima do pião em movimento.”
O deslocamento do eixo pode intensificar os efeitos das mudanças climáticas sobre nosso planeta estressado: as temperaturas globais estão subindo. Os eventos climáticos estão ficando mais extremos. O nível dos oceanos está subindo.
A Terra nem sempre gira em torno de um eixo que passa entre seus polos. Na realidade, o eixo se modifica de modo irregular ao longo do tempo, tendo se deslocado em direção à América do Norte durante a maior parte do século 20 (seta verde). Essa direção mudou drasticamente devido às mudanças na massa de água na Terra.

FONTE: ABRIL CULTURAL

quarta-feira, abril 27, 2016

MÉRITO: IZIANE COMANDA TÍTULO DO SAMPAIO CORRÊA

É unanime afirmar que Iziane foi uma peça fundamental na Final da LBF CAIXA. Uma das cestinhas históricas do campeonato nacional, a experiente ala conquistou grande desempenho durante toda a série contra o Corinthians/Americana e foi eleita a MVP (Jogadora mais valiosa) da Final da sexta edição da LBF CAIXA.
Para fechar a temporada com chave de ouro, além de levantar o título de campeã nacional, Iziane teve média de 18,7 pontos nos quatro jogos da final contra a equipe do interior do Estado de São Paulo e também faturou o troféu da melhor jogadora das finais da LBF CAIXA.
“Eu estava muito concentrada, principalmente nas duas primeiras partidas, pois sabia que seria muito complicadas. Realmente assumi um papel de líder dentro e fora de quadra, pois eu precisava mostrar o caminho das vitórias para minhas companheiras, que seguraram no meu braço e acreditaram em mim”, comentou a ala Iziane, do Sampaio Corrêa.

A Liga de Basquete Feminino (LBF CAIXA) é uma competição que conta com a CAIXA como patrocinadora master, e possui o apoio da Spalding, da Liga Nacional de Basquete (LNB) e do Ministério do Esporte.
O título e o prêmio de MVP não poderiam vir em melhor hora para Iziane. Segunda maior cestinha da história da LBF CAIXA, com 1.852 pontos anotados, Iziane tentou por cinco temporadas chegar à decisão do principal campeonato de basquete feminino do Brasil, quando chegou não só conquistou o título nacional como também foi a destaque de sua equipe para levantar o caneco.
“Mostrei através do meu trabalho e do meu esforço o que eu venho lutando há muito anos que é ser campeã da LBF CAIXA. Além do título veio o prêmio de MVP que é só um presente por tudo que passei durante a temporada. Dedico esse prêmio para minha equipe que esteve ao meu lado em tudo nesta temporada”, comentou a MVP da Final da LBF CAIXA.
“Falando em liderança, tenho uma coisa em minha cabeça: a líder precisa se doar. Foi em pontos durante os dois primeiros jogos, foi em defesa, conselhos e motivação nos dois últimos. Acho que fizemos um trabalho muito bem feito no fechamento da temporada 2015/2016”, disse Iziane.
Fonte: LBF

CAMPEÃO: SAMPAIO BASQUETE VENCE O CORINTHIANS DE LAVAGEM

De forma inédita, o Sampaio Corrêa é CAMPEÃO DA LIGA NACIONAL FEMININA DE BASQUETE. Nesta terça-feira, mais uma vez com o ginásio Castelinho com mais de seis mil torcedores, o time maranhense derrotou o Corinthians/Americana por 78 a 50 (36 a 30 no primeiro tempo) no jogo 4 da decisão e fechou a série melhor-de-cinco em 3 a 1. m quadra, o Sampaio mostrou que aprendeu com os erros cometidos na derrota do último domingo. Em uma boa atuação coletiva, assumiu a liderança do placar na metade do primeiro quarto e não a perdeu mais. Palmira e Ramona foram às cestinhas da partida com 16 e 14 pontos cada, respectivamente. Outro destaque foi Nádia, que anotou um "duplo-duplo" (dois dígitos em dois fundamentos), com 11 rebotes e 10 pontos.

veja o vídeo abaixo: 


domingo, abril 24, 2016

TITULO INÉDITO: É HOJE!


22/04/16 - Hoje poderá ser inesquecível para o BASQUETE MARANHENSE. O Sampaio Basquete jogará por uma vitória para se tornar campeão da LBF – Liga de Basquete Feminino.

AÇÃO COMUNITÁRIA: PRAÇAS COM FUNÇÃO SOCIAL

O espaço da Praça Manoel Jr. na COHAB, iniciou o projeto piloto LEITURARTE, é uma ação sociocultural educativa de inserção dos sujeitos em experiências e práticas leitoras, no intento de desenvolver a cultura letrada e de ampliar as condições sociais de exercício da cidadania. É mister dessacralizar o ato de ler, popularizar a relação com o livro e as crianças e adolescentes do entorno da Praça Manoel Jr.



O projeto concebido pelo Comitê Gestor da Praça. Uma experiência de vanguarda no complexo COHAB- COHATRAC. Momentos de contação de histórias, brincadeiras, pinturas e principalmente um momento de interação social.

Parabéns à todos que participaram desse projeto pensado coletivamente para a comunidade. Um agradecimento especial a companheira Mauricéia da Praça Renascer, foi fundamental, quero saudar a participação de Patrício Barros e Vitor do bloco os Vampiros da COHAB, Richardson (Conselho Da Criança e do Adolescente - COHAB- COHATRAC), valeu pela parceria firmada.

Agradecer à Camilo da Praça das Árvores, assim como a professora Lourença.

Obrigada a todos foi um sucesso.
Contamos com novas adesões para sábado dia 30/04 no mesmo horário na praça do Jr.





FONTE: PROFª. DORIAN

sábado, abril 23, 2016

LUÍS ROBERTO BARROSO: "O PRESIDENCIALISMO É UMA USINA DE PROBLEMAS"

ÉPOCA – Em 2006, o senhor escreveu um trabalho em defesa do semipresidencialismo. E, recentemente, voltou ao tema em conferências acadêmicas. Por qual razão?
Luís Roberto Barroso  Essa proposta de reforma política para o Brasil foi um trabalho acadêmico, feito em equipe, sem encomenda de ninguém. Eram ideias para o Brasil. No referido estudo, apresentei três sugestões. A primeira delas dizia respeito ao sistema de governo, o semipresidencialismo. A segunda, ao sistema partidário, sobre voto distrital misto, e, finalmente, em relação à cláusula de barreira e ou a proibição de coligações em eleições proporcionais. Eu achava que essas três transformações produziriam um impacto institucional extremamente positivo para o país.
ÉPOCA – O senhor imaginava, ao formular sua proposta, que dez anos depois estaríamos numa crise como a atual, em que o governo está sem apoio popular e parlamentar?
Barroso – A história do presidencialismo na América Latina é a crônica de uma crise anunciada. Eu não era capaz de prever a data exata – minha bola de cristal estava meio embaçada –, mas não tinha dúvida de que esse dia chegaria. Basta olhar para trás, de Deodoro da Fonseca aos dias de hoje, e contemplar a dura realidade: autoritarismo, cooptação fisiológica ou ingovernabilidade. Assim é, porque sempre foi.
ÉPOCA – Ainda conserva essas opiniões sobre o presidencialismo, especialmente agora nesta  crise política?
Barroso – Sim. Minha proposta foi escrita em 2006 para vigorar oito anos depois, de modo a não interferir com nenhum interesse político imediato. Ela teria entrado em vigor em 2014 e talvez nos tivesse poupado de alguns dissabores deste momento. Veja: eu não sou comentarista político. Eu antes era um acadêmico e agora sou ministro do STF. Minhas preocupações não estão ligadas à política conjuntural, mas à defesa e ao aprimoramento das instituições. Acho que precisamos combater as vicissitudes do modelo político brasileiro, que vão do excesso de poderes do Executivo ao descolamento entre a classe política e a sociedade civil. Esse era meu objetivo na época. Se esse é ou não o caminho para enfrentar a crise atual, não é meu papel dizer.
ÉPOCA – Que  vantagens vê no semipresidencialismo?
Barroso – O semipresidencialismo combina características do presidencialismo e do parlamentarismo. Mas não é uma criatura híbrida, sem identidade própria. Ele tem sido praticado com sucesso em diferentes países, inclusive França e Portugal. É uma fórmula bem melhor do que o hiperpresidencialismo latino-americano, que é uma usina de problemas, que se estendem do autoritarismo à ingovernabilidade.
ÉPOCA – Por que acha que o semipresidencialismo poderia resolver os problemas de governabilidade do Brasil?
Barroso – A primeira razão é que o semipresidencialismo permite a substituição institucional e sem trauma de governos que perderam o lastro de sustentação política. O grande problema do presidencialismo é que o presidente só pode ser removido legitimamente em caso de crime de responsabilidade. Trata-se de um procedimento complexo e traumático, como bem sabemos. No semipresidencialismo, o governo pode ser destituído por simples voto de desconfiança, se tiver perdido apoio popular e parlamentar. No semipresidencialismo, o presidente, eleito por voto direto, funciona como estadista e fiador das instituições. Seu papel, embora importante, é limitado, o que minimiza seu desgaste. O primeiro-ministro, por sua vez, fica no front mais inóspito da disputa política e das transformações sociais, sujeito a embates e turbulências. Em caso de perda de sustentação, ele cai e é substituído por outro, com apoio da maioria. Uma válvula de segurança, quanto a isso, é que a destituição somente pode se dar se já houver um nome com suporte majoritário. Isso dá maior relevo ao papel do Legislativo, que não poderá se ocupar apenas da crítica, mas deverá participar também da construção do governo.
ÉPOCA – Considera viável uma mudança de sistema de governo, quando medidas simples para melhorar a governabilidade – como a cláusula de barreira e o fim das coligações proporcionais – não são aprovadas no Congresso?
Barroso – Em meados do ano passado, houve uma conferência na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, na qual se discutiram algumas das grandes questões do Brasil. Em uma de minhas apresentações, eu tabulei as propostas de reforma política dos três principais partidos políticos nacionais, o PMDB, o PT e o PSDB. Os três são a favor do fim das coligações em eleições proporcionais e da adoção de cláusula de barreira ou de desempenho. Tais providências, por si só, já terão um alto impacto virtuoso sobre o sistema. Portanto, uma agenda minimamente construtiva resolverá essa questão. O problema é que o país entrou em uma espiral negativa. Precisamos sair dela. Tenho esperança de que esse debate volte à agenda do Congresso.
ÉPOCA – O parlamentarismo já foi rejeitado em plebiscitos anteriormente. Por que um sistema híbrido teria receptividade na sociedade?
Barroso – Uma característica típica do parlamentarismo é a não eleição do chefe de Estado por voto direto. Ou são monarquias, como o Reino Unido, a Dinamarca ou a Suécia. Ou são repúblicas, em que a escolha do presidente é por votação indireta, como Alemanha e Itália. O povo brasileiro não gosta de nenhuma dessas fórmulas. Para nós, a eleição direta do presidente da República se tornou um símbolo da democracia e até uma cláusula pétrea. Não há como cogitar em mudar isso. O semipresidencialismo mantém a eleição direta, mas atenua a concentração de poderes no presidente. O povo brasileiro nunca se manifestou sobre isso. Ainda assim, caso viesse a ser aprovada a mudança do modelo, o tema deveria, sim, ser levado a consulta popular direta, para não haver dúvida quanto a sua legitimidade.
ÉPOCA – Na França, já houve a chamada “coabitação”, em que presidente de esquerda é obrigado a conviver com um primeiro-ministro de direita – e vice-versa – porque seu partido perdeu a maioria no Parlamento.  Uma “coabitação”  funcionaria no Brasil?
Barroso – Quando as instituições são respeitadas, a política se amolda a elas. Não há qualquer problema institucional na coabitação. A regra na política democrática é que as maiorias governem. Nenhum sistema de governo é imune a instabilidades. O que minimiza o impacto das crises, tanto sobre as pessoas quanto sobre os mercados, é sua absorção institucional e em curto prazo, de acordo com regras prefixadas. Não dá para comparar a repercussão da queda de um primeiro-ministro com a de um presidente.
ÉPOCA – Como avalia a situação institucional do Brasil, no momento em que se discute a possibilidade de um impeachment da presidente Dilma Rousseff?
Barroso – Atravessamos uma crise política e econômica de grandes proporções, mas sem abalo institucional. Superamos os ciclos do atraso, e a sociedade brasileira já não aceita soluções que não respeitem a legalidade constitucional. Agora: instituições sempre podem ser aprimoradas. Um modelo semipresidencialista, com voto distrital misto e cláusula de desempenho, propiciará um sistema político melhor. O semipresidencialismo reduz o risco de autoritarismos e de crises. O voto distrital misto barateia a eleição e aproxima o eleitor do eleito. E a limitação dos partidos impede o balcão de negócios partidário. Precisamos de um modelo que volte a fomentar o idealismo, o patriotismo e seja capaz de atrair novos valores para a política. O impeachment, agora, é uma questão política. O STF, por maioria expressiva, tomou a decisão de manter estritamente as mesmas regras que valeram para o impeachment do presidente Collor. Regras claras, preestabelecidas e constantes são garantia do estado democrático de direito. Agora, tudo dependerá do Congresso.
FONTE: REVISTA ÉPOCA 

quinta-feira, abril 21, 2016

AÇÃO AMBIENTAL: 'ECOBARREIRA' EVITA IDA DE 13 TONELADAS DE LIXO AO RIO GUAÍBA

Em operação há 20 dias, a ECOBARREIRA instalada no Arroio Dilúvio, em Porto Alegre, já evitou que 13,3 toneladas de lixo fossem parar nas águas do Guaíba. A estrutura foi instalada no dia 28 de março na Avenida Ipiranga, entre a Borges de Medeiros e a Edvaldo Pereira Paiva, na região central da capital.


A barreira ecológica atravessa o arroio de um lado ao outro. Resíduos como garrafas pet, madeira e até animais mortos ficam retidos e são içados até a superfície por uma gaiola.

Duas vezes por dia, uma equipe do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) passa pelo local para recolher os detritos.

“Se a ECOBARREIRA não estivesse aqui, todo este resíduo teria ido parar no Lago Guaíba. Além das ações de cuidado do poder público e da iniciativa privada, é necessário que a população faça a sua parte e descarte seus resíduos no local certo, que obviamente não é no Dilúvio”, observa Gustavo Fontana, diretor-geral do DMLU.

 

Em 2013, 2014 e 2015, foram retiradas 267, 200 e 65 toneladas de resíduos respectivamente, de materiais como pneus, garrafas pets, sofás, sacolas plásticas, chinelos, sapatos, carrinho de bebê, cadeiras de rodas, piscina plástica, fogão, geladeira, carcaça de computador, de televisor, de ventilador e de orelhão, embalagens longa vida, roupas, colchões, isopor, lonas, mamadeira, bicicletas, panelas, canos de PVC, vasos de plantas e até uma banheira de hidromassagem.


Fonte: G1RS

terça-feira, abril 19, 2016

ABSURDO: O MIGUÉ DE FHC SOBRE A LAVA JATO


Um dos articuladores do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, pasmem, falou que o fim das investigações da Lava-Jato não pode ser moeda de troca entre partidos na construção de um novo governo em caso de afastamento de Dilma.


Muita cara de pau, mas é obvio que a cassação de Dilma é para fim dessa operação, visto que, os políticos das principais legendas são alvo de apuração da Lava-Jato.
A POPULAÇÃO NÃO É BESTA!

segunda-feira, abril 18, 2016

BRASIL: CERCA DE 150 DEPUTADOS INVESTIGADOS PARTICIPAM DA VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT

Cerca de 150 deputados federais , entre apoiadores e adversários da petista, são investigados no Supremo Tribunal Federal (STF), em inquéritos (procedimentos preliminares anteriores à abertura dos processos) e ações penais (os processos, de fato). As acusações vão de crime de responsabilidade – como o atribuído a Dilma – a corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e desvio de verba pública.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), além de comandar a votação, lidera outra bancada: a dos parlamentares que já são réus no Supremo. Ele responde por corrupção e lavagem de dinheiro e a outros inquéritos também da Operação Lava Jato. Uma nova denúncia já foi entregue pela Procuradoria-Geral da República contra Cunha, acusado desta vez de omitir contas bancárias na Suíça. Parlamentares que estão na mira do Supremo já se manifestaram no processo de impeachment. 

CAMPEÃO: VASCO ESTABELECE NOVA MARCA HISTÓRICA DE INVENCIBILIDADE NO SÉCULO XXI

O Vasco conquistou o seu 12º título da Taça Guanabara ao vencer o Fluminense neste domingo (17/04). Além deste feito, que lhe garantiu a vantagem do empate na Semifinal e em uma possível Final do Campeonato Carioca 2016, o Gigante da Colina versão 2015/2016 igualou uma marca histórica, que fora alcançada anteriormente pelo "Expresso da Vitória" no ano de 1947 e pelo time de 1994/1995, obtendo 21 jogos de invencibilidade. Dessa forma, o Vasco estabeleceu a sua melhor seqüência histórica de invencibilidade no século XXI.
O HERÓI DA CONQUISTA

  O GENERAL DA COLINA

domingo, abril 17, 2016

PROTAGONISMO SOCIAL: DEBATE SOBRE OS DIREITOS SOCIAIS E A DEMOCRACIA

A atual conjuntura brasileira pede reflexões. Com isso, o debate é necessário e a Distrital do PC do B COHAB/COHATRAC abriu espaço para tanto neste Sábado (16/02), no sede social da Associação de Moradores do Cohatrac III, na Rua 12, s/n.
 Iniciando o debate a Profª. Dorian (foto ao lado) comentou o seguinte: “A luta hoje, é pelo respeito à legitimidade conquistada à duras penas, a democracia. Independente de preferências partidárias, a hora é de contra hegemonia. O que está em jogo, é a reorganização das elites burguesas, que buscam apoio das camadas populares quando se vêem ameaçadas, e quando logram o poder, descartam e alijam o povo do poder. É esse o perigo eminente que ronda a história do Brasil. Mediante a tudo isso precisamos exercitar o processo de politização e militância social. Faz-se necessário, abstrações da realidade social para além da aparência”.

Na ocasião o Senhor Nonato Martins (foto ao lado) representante da Distrital do PC do B COHAB/COHATRAC vem agradecer ao Camarada Luiz Pedro pela excelente explanação a cerca da Luta pela Democracia, ao camarada professor Lisboa pela força e pela aula de Direito Constitucional e assim a todos os camaradas e amigos que se fizeram presente hoje na plenária organizada pela distrital.



sexta-feira, abril 15, 2016

PERIGO: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA NO AEROPORTO DE SÃO LUÍS

O Deputado Estadual Sergio Frota faz relato grave sobre o estado degradante que se encontra o Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado, em São Luís. De acordo com o parlamentar, a pista de pouso do aeroporto oferece sérios riscos de acidente. No local, a existência de muitos buracos ao longo da via, pedaços de pedra e asfalto soltos, que podem trazer conseqüências graves tanto para passageiros quanto para quem mora na região do aeroporto.


Segundo Relatório de Prevenção elaborado pelo Comandante Francisco Cabra, datado em abril de 2011 e que também foi utilizado por Frota durante a denúncia, a pista do aeroporto fica inadequada para o pouso de aeronaves em período de chuvas e em vários pontos existe asfalto totalmente irregular. Uma indicação à Agência Nacional de Aviação solicitando a recuperação da pista de pouso e decolagem do aeroporto em caráter de urgência foi feita por Sérgio Frota.

quinta-feira, abril 14, 2016

PROJETO: PRIVATIZAR AS BRS 135 E 222

O líder do PCdoB na Câmara Municipal de São Luís, vereador Professor Lisboa (foto ao lado), apresentou indicação ao Governo do Estado para que sejam realizados estudos técnicos visando viabilizar a privatização das rodovias federais que cortam o Maranhão (BR-135 e BR-222), para resolver o problema de abandono das duas estradas. A matéria deve ser apreciada e votada na semana que vem no Legislativo.

Segundo o parlamentar, o destino da proposição, após ser aprovada, é encaminhar a iniciativa ao Congresso Nacional. Professor Lisboa destacou que esta é a única solução para o problema que aflige toda a população maranhense, assim como de quem vem de outros estados e precisa trafegar pelas rodovias.


“Nossa preocupação é com a vida e a integridade das pessoas. Já estamos no décimo sexto ano do século 21 e só vemos o problema piorando. Acredito que não haja recursos para a duplicação, e por isso, sugiro que o poder público se afaste do gerenciamento das BRs 135 e 222, que são as que mais ceifam a vida das pessoas. Nossa proposta é que a União outorgue por mecanismo de concessão, o gerenciamento destas rodovias para a iniciativa privada, pois ai sim, vamos poder exigir as melhorias destas rodovias, para que possamos trafegar com mais segurança”, justificou o vereador Lisboa.

terça-feira, abril 12, 2016

TECNOLOGIA: MARANHÃO TERÁ INSTALAÇÃO DE UNIDADE DO ITA


O Maranhão vai ganhar uma unidade do Instituto Tecnológico da Aeronáutica, a instalação será no espaço da EXPOEMA no bairro do São Raimundo.

segunda-feira, abril 11, 2016

SUSTENTABILIDADE: BRASILEIRA CRIA ISOPOR BIODEGRADÁVEL

Um certo dia, ao ver a mãe chegar do supermercado com as compras, Sayuri Miyamoto Magnabosco (foto ao lado), de 17 anos, observou que muitos dos produtos adquiridos eram embalados com isopor, material que contribui com o acúmulo de resíduos nos lixões e aterros, e que demora de 100 a 300 anos para se decompor. Ao pensar nisso, a estudante do ensino médio em Curitiba pensou em uma solução: por que não produzir bandejas a partir do bagaço da cana-de-açúcar?


O talento da jovem somado a ajuda da mãe e dos professores fez com que a bandeja biodegradável saísse do papel. Um ano depois, tem até pedido de patente. E uma quantia invejável de prêmios para a garota cientista. A idéia é simples, da maneira como deve ser um projeto científico no ensino médio, defende o professor Cornélio Schwambach, orientador de Sayuri. 

A cana ela conseguiu com um vendedor de caldo, perto de casa. Bateu no liquidificador de casa e misturou àquela cola branca caseira, que os mais antigos conhecem bem: farinha de trigo e água, fervidos no fogão.
Fonte: EcoD

domingo, abril 10, 2016

RECICLANDO: CULTIVANDO EM PEQUENOS ESPAÇOS

A garrafa PET e suas formas de reutilizações, aqui mostraremos um exemplos prático para quem mora em apartamentos, para quem quer cultivar ervas medicinais, tomates, morangos e vários temperos.
Para quem mora em casa baixa e têm animais domésticos que gostam de cutucar as plantas, esse método é interessante, porque evita dos animais remexerem porque fica no alto.


O passo a passo para fazer esta horta vertical.















ADECOI INFORMA: AÇÕES DA BRIGADA VOLUNTÁRIA AMBIENTAL

A Associação dos Defensores do Complexo Itapiracó( ADECOI) esteve presente nas pessoas da dona Sindia e Silvana na ação com o Batalhão de...