sábado, abril 29, 2017

#PRONTOFALEI!:A EXTINÇÃO DO INSS

O INSS adota o regime de repartição simples, ou seja, a contribuição que você paga, bem como aquela que o seu patrão paga servem exclusivamente para sustentar os benefícios previdenciários de quem é aposentado ou pensionista. Em resumo, quem está na ativa financia quem está na inativa, por isso, tal regime recebe a carinhosa e pomposa alcunha de “pacto de gerações”. Em outras palavras, esses dois recolhimentos mensais não formam um fundo monetário (uma poupança, em grosso modo) em prol de você mesmo, o que é péssimo do ponto de vista financeiro (não precisa ser economista para perceber o engodo presente no sistema de repartição adotado em terras tupiniquins), mas sim financiam uma pirâmide financeira que depende da entrada de novos recolhimentos para pagar aqueles que já recebem os benefícios.

A previdência social é na verdade um sistema de pirâmide (Marketing multinível). Eu trabalho e pago a aposentadoria de quem já está inativo. E quando chegar a minha vez de me aposentar vou depender do trabalho de quem está na ativa. É um sistema que não se sustenta financeiramente e tende, no médio/longo prazo, a entrar em colapso, como toda pirâmide financeira. É uma conta que nunca vai fechar! Por essa dependência entre as gerações (ativos x inativos) e pela ineficiência adotada no sistema de repartição, os valores de aposentadoria não são corrigidos conforme a inflação. É trágico, mas é a mais pura verdade. Um sistema que não capitaliza o dinheiro investido e apenas reparte nunca vai dar certo, seja no Brasil, no Japão, na União Europeia ou nos Estados Unidos.


Por que nós mesmos não tomamos conta de do nosso dinheiro, sabe por que, estamos habituados de esperar tudo do governo que é uma merda!

quarta-feira, abril 26, 2017

FOCCO: SOCIALIZANDO EXPERIÊNCIAS


25/04 - O projeto de empoderamento social  chamado comitê de praça, gestado na Praça das Árvores, Complexo Cohab Cohatrac, ganhou uma dimensão interbairros, sendo apresentado na AMCCO - Associação dos Moradores do Conjunto Cidade Operária, numa articulação popular propiciada por atores dos movimentos sociais das áreas citadas. Foi um momento profícuo de troca de experiências, e possibilidades. A reunião contou com lideranças locais, e com a equipe intercomitês formada pelos militantes sociais, Camilo Rocha, Dorian Azevedo, Katherine Chagas, Carmosa Ramos, que socializaram suas experiencias comunitárias provocando a comunidade da  Cidade Operária, Jardim América e Cidade Olímpica a apropriarem-se dos espaços públicos com usufruto social e sustentável. Na oportunidade, ressaltou-se a importância da construção coletiva e da busca de parceria para uma ação que envolva a comunidade e ganhe adesões.

Fonte: Camilo

terça-feira, abril 25, 2017

TODOS UNIDOS: DEPUTADOS FEDERAIS BANCADA MARANHENSE REVERTEM CORTE DE R$ 224 MILHÕES PARA EDUCAÇÃO

Nesta terça-feira todos os deputados federais se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e conseguiram reverter a decisão do governo federal que retirava de uma só vez R$ 224 milhões da educação no estado e nos municípios maranhenses, portaria publicada no Diário Oficial da União em 20 de abril. Na reunião, os deputados conseguiram o compromisso de que até o final da semana será editada uma Medida Provisória parcelando esse valor de forma mais suave para os estados.

Além do Maranhão, Bahia, Ceará e Paraíba também haviam sido atingidos pela medida. Os 224 milhões que seriam cortados de uma só vez no repasse de abril são recursos que foram adiantados aos municípios e estados como repasse do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), em dezembro do ano passado.

sexta-feira, abril 21, 2017

LAVA JATO: TUDO SOBRE A DELAÇÃO DA ODEBRECHT

Click na imagem abaixo para ver a lista dos políticos citados na delação.

Você pode escolher da seguinte forma:


Pelo partido ou pelo estado.
 LAVA JATO

quarta-feira, abril 19, 2017

PAPA FRANCISCO: NÃO TINHA MOTIVO PARA VIR AO BRASIL

“O papa não tinha nenhuma razão para vir ao Brasil, apoiar um golpista. Ele é muito coerente com a opção que tem pelos pobres, pelos que sofrem violência e são marginalizados. Por causa disso ele não quis visitar a Argentina de (Mauricio) Macri. Por essa mesma razão ele não quis visitar o Brasil sob Temer.” A declaração é do frei e teólogo Leonardo Boff, sobre a carta enviada pelo papa Francisco ao presidente Michel Temer, recusando o convite para visitar o país para as celebrações dos 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Embora reconheça que a crise que o país enfrenta “não é de simples solução”, Francisco enfatiza: "Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira".

Para o frei, o papa deixa claro de que lado está: “Ao lado das vítimas, dos que sofrem, coisa que este governo está produzindo”. “Se ele viesse ao Brasil seria legitimar esse estado de coisas, o que ele nunca faria. Ele foi coerente ao não ir à Argentina e não vir ao Brasil. Enquanto houver formas duras, ditatoriais, eu diria, de governo e de relação com o povo, o papa não dará seu apoio e não visitará essas terras e esses países.”  

Boff lembra que, após a abertura do processo do impeachment, o papa Francisco escreveu uma mensagem à então presidenta Dilma Rousseff, já afastada, na qual demonstrou apoio. “O papa Francisco mandou uma carta à Dilma enquanto se fazia o julgamento dela, apoiando-a pessoalmente porque ele a conhece. Eu vi isso, estive com Dilma”, disse Boff à RBA.

Para ele, considerado expoente da Teologia da Libertação e próximo a Francisco, com atitudes como a recusa a vir ao Brasil governado por Michel Temer, o papa está indiretamente dando um recado aos governos “que fazem políticas superficiais, que trazem dificuldades e injustiça para os pobres, e reformas que se fazem com alta velocidade e não atendem às necessidades do povo, são antipopulares e anticonstitucionais”.
Apesar das enormes dificuldades pelas quais passa o país, “não há dificuldade que não possa ser resolvida” – diz Boff. “Já que os partidos estão corrompidos, com um vazio de lideranças, o grande lugar da pressão é a rua e a praça, com manifestações, grupos de discussão onde se discuta que Brasil nós queremos, que coisas principais devemos fazer para incluir a grande maioria que está à margem, superar a chaga da desigualdade, que é uma das piores do mundo”.

Apesar do pessimismo de parte da população brasileira com os ataques a direitos pelo governo e suas reformas, Leonardo Boff afirma acreditar que “esse caos, essa confusão que está havendo, lentamente vai criar uma claridade para ver o caminho que devemos seguir, um outro tipo de sociedade, de governo, que seja voltado para o povo, que realize direitos e não apenas defenda privilégios”. 

segunda-feira, abril 17, 2017

LAVA JATO: UM PACTO PARA CORRUPÇÃO


Quando a Operação Lava Jato mostrou poder suficiente para atingir grandes setores políticos e econômicos, começou a falar-se em um eventual acordo entre dois ex-presidentes e Michel Temer. O objetivo seria que Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), junto ao atual presidente da República, fizessem um pacto para a classe política.
As acusações contra FHC e Lula, que foram encaminhadas a instâncias inferiores e as contra Temer, que só não pode ser investigado por sua “imunidade temporária”, levaram os três a crer, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, que o acordão era necessário para um processo eleitoral “tranquilo” em 2018 e evitar que um nome de fora disputasse o Palácio do Planalto.
Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o presidente Michel Temer negou que tenha havido uma reunião para tratar de um acordo para o processo eleitoral do ano que vem. “Em primeiro lugar, hoje até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que não teve conversa nessa direção. E não tem mesmo. Fomos [Temer e FHC] fazer uma visita tendo em vista um doloroso acontecimento que envolveu o ex-presidente Lula. Nesta ocasião, ele [Lula] disse que precisávamos conversar sobre reforma política”, explicou.
Segundo o presidente, fazer um acordão sobre os problemas entregues ao Judiciário e ao Ministério Público Federal é algo “inviável”. Temer ainda garantiu: “não participo, não promovo e não fui questionado a participar [de um acordão]”.
Já sobre a reforma política, assunto tratado com os dois ex-presidentes, Temer disse que isso pode ser visto, mas reiterou que um acordo sobre assuntos que ocorrem hoje no País não serão e nem foram debatidos.
Citado em delações
O presidente Michel Temer admitiu novamente ser desagradável a citação de seu nome em delações de executivos da Odebrecht. “É desagradável porque se trata de uma mentira. Mesmo se tratando de verdade não deixaria de ser desagradável. O que tenho procurado é dizer que é desagradável e constrangedor. Os fatos, quando narrados, revelam a presença de pessoas que nem estavam no local”, disse.
Em defesa do Governo, o peemedebista afirmou ainda que a tendência é dizer que os trabalhos irão parar. Temer, entretanto, negou uma paralisação das atividades e ressaltou reuniões com membros do Governo e Legislativo, “para que não se altere a governabilidade”.
Para Temer, os conteúdos das delações são estarrecedores, desagradáveis, preocupantes e podem transmitir uma imagem muito negativa do Brasil no exterior.

“Sob esse ângulo é péssimo. Mas o que fazemos diante disso? Paralisamos ou seguimos em frente? Devemos seguir em frente. Diante dos inquéritos propostos no Judiciário, deixa o Judiciário trabalhar. As pessoas mencionadas deverão prestar sua defesa. Ainda está na fase de inquérito. As pessoas vão se defender, vão ser condenadas, não vão ser condenadas”, disse o presidente, que pediu ainda uma “obediência” no trabalho de cada um dos Três Poderes.
Fonte: RJP

quarta-feira, abril 12, 2017

MOVIMENTO APAEANO: GOVERNO DE FLÁVIO DINO DESTINARÁ MAIS DE R$ 2 MILHÕES


Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de 14 municípios do estado do Maranhão irão receber valor padrão de mais de R$ 15 mil por mês, somando o total de R$ 180 mil por ano. Ao todo, o investimento será de R$ 2,5 milhões. O investimento social será oferecido através da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que viabilizará melhorias no trabalho de reabilitação e acompanhamento de pessoas com deficiência.
De acordo com o secretário Carlos Lula (SES), a parceria por modo de contrato tornará o processo de repasse mais legítimo. “Iniciamos essa conversa com a Federação das APAES há alguns meses e fiquei muito surpreso ao saber como as coisas eram tocadas sem as formalidades necessárias. Com os contratos, teremos uma melhora porque a gente também muda a forma como esse convênio passa a ser concretizado. É uma mudança jurídica que vai fazer toda a diferença no dia a dia das associações”, explicou o secretário Carlos Lula.

Inicialmente, os contratos foram celebrados com as APAES de Araioses, Água Doce, Balsas, Brejo, Magalhães de Almeida, São Bernardo, Vargem Grande, João Lisboa, Tutóia, São Mateus, Chapadinha, Paço do Lumiar, Anapurus e Monção. 

segunda-feira, abril 10, 2017

METROPOLIZAÇÃO: PEDRO LUCAS FALA SOBRE PROJETOS DA AGÊNCIA METROPOLITANA

À frente da Agência Metropolitana (Agem) há pouco mais de 30 dias, o presidente Pedro Lucas Fernandes (foto ao lado) tem procurado manter diálogo constante com os gestores dos 13 municípios da região. O objetivo: levantar as demandas e articular soluções comuns às cidades.
Além de ter recebido inúmeras autoridades em seu gabinete, o presidente da Agem deu início, na semana passada, às visitas in loco, nas 13 cidades que formam a região metropolitana – instituída pela Lei Complementar 174/2015.
Pedro Lucas se licenciou do cargo de vereador na capital, para assumir a Agência Metropolitana, órgão vinculado ao Governo do Maranhão. Ele foi eleito pela primeira vez em 2012 e reeleito em 2016 como terceiro mais bem votado.
Agora os desafios são outros.
Qual a avaliação do trabalho neste primeiro mês de gestão?
Pedro Lucas: Tem sido um grande desafio, porque a agência faz parte do novo modelo de gestão da Região Metropolitana da Grande São Luís, instituída através da Lei Complementar nº 174/15. Como a Agem não existia na estrutura dos órgãos do estado, nosso trabalho está partindo do zero: tivemos que elaborar o plano técnico, fazer organograma, definir funções e isso tudo leva tempo. Estamos superando a fase burocrática, para fazer a gestão metropolitana funcionar. O governador Flávio Dino já aprovou a implantação do Plano Metropolitano de Resíduos Sólidos, que faz parte do Plano de Ações da Região Metropolitana da Grande São Luís, elaborado pela nossa equipe. Esse é um passo importantíssimo e já vamos passar para a fase de licitação.
Como está o processo de metropolização?
O primeiro passo é institucionalizar a Agência. Precisamos fazer os 13 seminários nas cidades que compõem a região metropolitana, depois faremos a grande Conferência Estadual. Ela é importante para definir a colaboração dos municípios no fundo (metropolitano) e definir as principias frentes de trabalho, na questão dos resíduos sólidos, mobilidade, enfim. Nessa conferência é que o colegiado vai definir quais os rumos que a Agência vai tomar.
Como será a atuação da Agem diante das outras secretarias?
De articulação. Agora mesmo a gente tem um termo de cooperação técnica já elaborado pela Sinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura), vamos apresentar um outro (termo de cooperação técnica) com o Imesc (Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos). Tem o PDDI (Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado), que é fundamental para os municípios, porque ele é um instrumento obrigatório para promover o planejamento, gestão e execução das Funções Públicas de Interesse Comum (FPICs), de acordo com o Estatuto da Metrópole (Lei Federal 13.0.89/15). Essa etapa de consolidação e elaboração do PDDI, a Agência Metropolitana, através de um Termo de Cooperação Técnica entre a Secid [Secretaria de Cidades] e o Imesc [Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos], participará tanto na parte de condução dos trabalhos, como na fiscalização. Enfim, o diálogo é a base da nossa gestão à frente desse processo, porque temos essa missão de integrar as forças do estado, conversar com as secretarias para articular essas políticas públicas de interesses comuns e efetivamente tirá-las do papel.
E das prefeituras?
A Agência tem um conceito diferente da gestão de governos anteriores. Por determinação do governador Flávio Dino, vamos construir parcerias com os municípios, dar satisfação do nosso trabalho, construir ações onde os prefeitos, as Câmaras de Vereadores e a Agem possam se envolver para juntos buscarem soluções.
Quais os planos para médio e longo prazo?

A longo prazo, esperamos fazer uma integração de todas as funções públicas de interesse comum, tanto da parte educacional, saúde, mobilidade urbana e saneamento básico. Esse é o ideal para que a região metropolitana, de fato, esteja 100% efetivada. A médio prazo, é construir um diálogo com as prefeituras, construir planos que possam desenvolver a região metropolitana.
Fonte: O imparcial

domingo, abril 09, 2017

SUSTENTABILIDADE: ECONOMIA SOLIDÁRIA NA PRAÇA DAS ÁRVORES

O Empório da Economia Solidária ocupou a praça das Árvores - Cohatrac IV hoje, 08/04/2017, com economia, produtos agroecológicos e artesanato de qualidade. O evento foi planejado para acontecer uma vez ao mês, propiciando encontro entre produtores e consumidores na modalidade mais antiga de comercialização: a feira livre. O empório é realizado pelo Fórum da Economia Solidária do Maranhão e conta com apoio da Rádio Comunitária Ilha do Amor FM e do Comitê da Praça das Árvores.






Fonte: FOCCO/Whatsap

sábado, abril 08, 2017

COMISSÕES SETORIAIS: CÂMARA DE VEREADORES DE SÃO LUÍS

A Câmara Municipal de São Luís, divulgou o nome dos Presidentes eleitos para compor as 19 comissões técnicas da Casa.

Veja a íntegra das Comissões do Legislativo:

1 – Constituição, Justiça, Legislação, Administração, Assuntos Municipais e Redação Final.
Presidente: Francisco Carvalho
Membros: Josué Pinheiro e Pavão Filho
Suplente: Edmilson Jansen

2 – Orçamento, Finanças, Planejamento e Patrimônio Municipal.
Presidente: Dr. Gutemberg
Membros: Osmar Filho e Marquinhos
Suplente: Concita Pinto

3 – Educação
Presidente: Marquinhos
Membros: Ricardo Diniz e Prof. Sá Marques
Suplente: Beto Castro

4 – Saúde
Presidente: Umbelino Júnior
Membros: Genival Alves e Estevão Aragão
Suplente:

5 – Economia, Trabalho, Indústria, Comércio, Agricultura e Pecuária.
Presidente: Edson Gaguinho
Membros: Honorato e Genival Alves
Suplente: Dr. Gutemberg Araújo

6 – Defesas Do Consumidor, Usuário e Contribuinte.
Presidente: Francisco Chaguinhas
Membros: Cézar Bombeiro e Marcial Lima
Suplente: Edson Gaguinho

7 – Direitos Humanos
Presidente: Honorato
Membros:  Profº Sá Marques  e Marcial Lima
Suplente: Osmar Filho

8 – Meio Ambiente
Presidente: Edmilson Jansen
Membros:   Edson Gaguinho e Cezar Bombeiro 
Suplente :

9 – Assistência Social- Cidadania, Envelhecimento Com Qualidade de Vida.
Presidente: Concita Pinto
Membros:  Afonso Manoel e Genival Alves
Suplente:  Pavão Filho

10 – Ética e Decoro Parlamentar.
Presidente: Josué Pinheiro
Membros: Honorato e Estevão Aragão
Suplente: Silvino Abreu

11 – Legislação Participativa
Presidente: Estevão Aragão
Membros:  Marcelo Poeta e Ricardo Diniz
Suplente:  Aldir Júnior

12 – Assuntos Metropolitanos
Presidente: Josué Pinheiro
Membros: Honorato e Estevão Aragão
Suplente:  

13 – Criança, Adolescente e Juventude.
Presidente: Fátima Araújo
Membros: Marquinhos e Raimundo Penha
Suplente:  Concita Pinto

14 – Regularização Fundiária e Ocupação do Solo Urbano
Presidente: Aldir Júnior
Membros:    Honorato e Bárbara Soeiro
Suplente:  

15 – Defesas Dos Direitos e Protagonização da Mulher
Presidente: Bárbara Soeiro
Membros: Concita Pinto e Fátima Araújo
Suplente: Beto Castro

16 – Seguranças Pública.
Presidente: Profº Sá Marques
Membros: Cezar Bombeiro e Estevão Aragão

17 – Culturas, Esporte e Turismo.
Presidente: Pereirinha
Membros:  Beto Castro e Paulo Victor

18 – Mobilidade Urbana
Presidente: Raimundo Penha
Membros: Nato Júnior e Aldir Júnior

19 – Comunicação e Energia
Presidente: Marcial Lima

Membros: Nato Júnior e Francisco Chaguinhas

quinta-feira, abril 06, 2017

MEIO AMBIENTE: DOCUMENTO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESTÁ DISPONÍVEL PARA CONTRIBUIÇÕES


Está disponível, no site da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais – SEMA e da Secretaria de Estado da Educação – SEDUC, o documento preliminar do Plano Estadual de Educação Ambiental do Maranhão, para contribuições da sociedade e principalmente das instituições governamentais e não-governamentais que trabalham temáticas alusivas à Educação Ambiental. O documento ficará disponível no período de 30 dias a partir da publicação do site.


A Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema Estadual de Educação Ambiental - Lei n° 9279/2010, preceitua no Artigo 10 que o Órgão Gestor Estadual de Educação Ambiental, é formado conjuntamente pelas áreas da educação ambiental da SEMA e da SEDUC, responsável pela coordenação da Política e do Sistema Estadual de Educação Ambiental.

A consulta pública pode ser realizada no link AQUI

domingo, abril 02, 2017

SERVIÇO VOLUNTÁRIO: SERVIÇO DE IMPOSTO DE RENDA GRÁTIS NO SHOPPING RIO ANIL

O CEUMA em parceria com o Shopping Rio Anil disponibilizará alunos do Curso de Ciências Contábeis para fazerem gratuitamente declaração de Imposto de renda

O ponto de atendimento do serviço tem como referência a loja Renner, será prestado de segunda a sexta-feira, das 14:00 às 21:00 e aos sábados 14h00 às 18h00.


A PRAÇA DAS ÁRVORES: EMPÓRIO SOCIAL

A comunidade do Complexo Cohatrac/Cohab viveu na manhã de 18/11, mais um importante momento de construção de pertencimento. A Praça das Árv...